CURSO DE PEDAGOGIA GRIÔ:
cultura, tradição alimentar, ervas de cura e agroecologia

Venha aprender sobre democratização dos sistemas agroalimentares em interação com a pedagogia griô, a arte e os saberes das mestras e mestres griôs do estado do Rio de Janeiro. Durante o curso, vamos ter contato com plantas, ervas, sementes e receitas tradicionais relacionadas aos territórios e ancestralidades das culturas de tradição oral em nosso estado.

Objetivos principais do curso

Sensibilizar agentes culturais em práticas encantadoras, vivências, dialógica e de produção partilhada do conhecimento num ambiente EAD. Essa formação vai permitir que atuem como agentes da inserção das identidades e ancestralidades do povo brasileiro, a coordenação de projetos político-pedagógicos e a celebração da vida em temas que interagem memória, registro, tradição alimentar, ervas de cura, conhecimentos tradicionais e reconhecimento do lugar social, educacional, político e econômico dos Mestras(es) Griôs de tradição oral.

Metodologia

O curso contará com coordenação pedagógica e facilitação dos criadores da Pedagogia Griô, utilizando cantigas, louvações, rituais de vínculo, práticas dialógicas e construção partilhada de conhecimento. Algumas bases da Pedagogia Griô são: a educação biocêntrica de Ruth Cavalcante e Rolando Toro, a psicologia comunitária de Cezar Góis, a educação para as relações étnico raciais positivas de Vanda Machado, a educação dialógica de Paulo Freire e uma profunda identificação com a educação que marca o corpo de Fátima Freire e a cultura viva comunitária de Célio Turino.

Público-alvo

Estudantes e profissionais da Educação – como professoras/es, diretoras/es, pedagogas/os, merendeiras/os – e população tradicional do estado do Rio de Janeiro.

Carga horária

10 horas

Datas e horários

13, 14, 15, 20 e 21 de julho de 2021
de 19h às 21h

Plataforma

Zoom

Certificado

Será emitido certificado para quem tiver participação de, no mínimo, 75% das atividades

Inscrições

Pelo formulário

Obs. As vagas serão destinadas para pessoas que correspondam ao público-alvo prioritário, levando em conta também a disponibilidade do candidato para participar de fato do curso e a sua inserção em movimentos populares, ou capacidade de replicação ou atuação em escolas públicas.

PROGRAMA DO CURSO

Dia 13 de julho – O que é Pedagogia Griô

O conceitos e a história da pedagogia griô e localização dela nas tendências pedagógicas. O que significa uma pedagogia que integra Identidade, ancestralidade, tradição oral, educação, cura e conhecimento.

14 de julho – O que é Griô?

Qual o lugar social de mestras(es) Griôs na educação e na elaboração do conhecimento? O Encantamento e o lugar do griô aprendiz. Vínculo com mestres e mestras griôs.

15 de julho – Práticas pedagógicas de Histórias de vida

Vivência e escrita de histórias de vidas vinculadas ao conhecimento das ervas de cura, de agroecologia e a sistemas agroalimentares.

Estas três primeiras aulas serão conduzidas por Lilian Pacheco e Márcio Caires.

lilian1

Líllian Pacheco

Educadora, escritora e criadora da Pedagogia Griô, com referência na Educação popular, educação biocêntrica e educação para as relações etnico raciais positivas. Idealizadora e coordenadora da Escola de Formação na Pedagogia Griô, do Ponto de Cultura Grãos de Luz e Griô, da Ação Griô Nacional e da Escola de Políticas Culturais. Coordenadora de projetos de educação, cultura e economia solidária há 25 anos, premiados nacionalmente. Atuante no Movimento Nacional de Emergência Cultural da Lei Aldir Blanc.


marcio1

Márcio Caires

Pesquisador, contador de histórias, coordenador do Projeto Grãos de Luz e Griô e co-criador da Pedagogia Griô. Nascido na pequena cidade de Dom Basílio, sul da Chapada Diamantina -BA, foi iniciado nos saberes de tradição oral por diversas comunidades tradicionais do Brasil, e na tradição Griot por famílias tradicionais da região do Mali, África. Também é professor, graduado em administração de empresas (UCSal), pós graduado em Antropologia e Turismo (UEFS), Mestrando pela UEFS e coordenador do curso de extensão e do curso de pós graduação em Pedagogia Griô na USP (Universidade de São Paulo). Articula e mobiliza diversas frentes politicas, com atuação em Conselhos Estaduais e Fóruns de cultura e educação na Bahia e no Brasil, com repercussão em Seminários e Congressos na América Latina (Bolívia, Peru e Colômbia), Espanha (Galícia), Vaticano e Mali.

Dias 20 e 21 de julho

As memórias, a culinária e os remédios das culturas caiçaras, indígena, quilombola e dos quintais agroecológicos do estado do Rio de Janeiro. Os mestres e mestras griôs vão apresentar suas histórias de vida e repassar receitas de pratos típicos e remédios caseiros de suas comunidades.

Mediação: Ana Santos.

anasantos1

Ana Santos

Ana é mulher negra nascida na Baixada Fluminense, educadora popular, Agricultora urbana e culinarista, encontra na Serra da Misericórdia, complexo da Penha, porto e morada da agroecologia urbana. Em solo tão marcado pela desigualdade social, Ana aposta na prática de cultivar alimentos saudáveis em confluência com a cultura e arte popular como maneira de resistir na cidade. Acredita no poder curativo das plantas e na produção de alimento saudável na cidade como direito humano fundamental. Integrante do GT Mulheres da AARJ e da Rede Carioca de Agricultura urbana.

arajera1

Ara Jera

Parteira guarani Mbya

mestreticote1

Mestre Ticote

Francisco Xavier Sobrinho, mais conhecido como Ticote, é caiçara que segundo ele próprio “nasceu com o remo na mão”. Nascido e criado na Reserva da Juatinga, em Paraty, entre rios, roças e o mar, é uma das lideranças do Fórum de Comunidades Tradicionais – Angra, Paraty e Ubatuba. Desde 2007. Artesão e contador de histórias, foi Griô dentro da Ação Griô Nacional em 2008, já foi residente da Associação de Moradores e Amigos do Pouso da Cajaíba (AMAPOCA) e fundou, em 2010, Instituto fe Permacultura e Educação Caiçara (IPECA) com a parceria do projeto de extensão Raízes e Frutos da UFRJ. Há muitos anos Ticote busca fomentar uma rede dentro da comunidade de fluxo de conhecimento e valorização da comunidade caiçara. Ele também ministra oficinas próprias, como pau a pique, telhados de sapê, cestaria, artesanato, redes caiçaras, alimentação tradicional caiçara etc. Segundo ele, seu objetivo maior é contribuir para o fortalecimento do turismo de base comunitária na comunidade caiçara e defender seus territórios de origem.

donajuju1

Mestra Dona Juju

Juliana Medeiros, 69 anos é agricultora, moradora do município de Magé, Região Metropolitana do Rio de Janeiro, mas nasceu na Paraíba. De família de agricultores, nasceu e foi criada na roça. Já foi cozinheira, costureira, garçonete, serviu cafezinho na rádio Tupi, onde até fazia comentários no ar, mas foi na lavoura que encontrou motivação e prazer. O caminho para se manter na roça começou pelos doces. Numa cozinha comunitária, junto com as amigas Lourdes e Guida, transformou sua colheita em geleias e compotas. Hoje, com a cozinha Colher de Pau, ela produz mais de 23 tipos de doces e farinhas, como as de berinjela e quiabo. “Se me tirar da roça, não sobrevivo. Dona Juju faz parte do Grupo de Mulheres da Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro.

Rolar para cima